Colecionador de Frases

Frases e citações selecionadas e indexadas por Eugenio Hansen

Não tem sentido lutar quando estamos em vantagem.

Posted by servitiu em 7 maio , 2008


Mahatma Gandhi, 1869-1948

Posted in estratégia, lutar, Mahatma Gandhi | Leave a Comment »

Em cada criança nasce a humanidade.

Posted by servitiu em 6 maio , 2008


Jacinto Benavente, 1866-1954

Posted in criança, humanidade, Jacinto Benavente | Leave a Comment »

Um filho é uma pergunta que fazemos ao destino.

Posted by servitiu em 6 maio , 2008


José María Pemán, 1898-1981

Posted in destino, filhos, José María Pemán | Leave a Comment »

A melhor maneira de tornar as crianças boas, é torná-las felizes.

Posted by servitiu em 5 maio , 2008


Oscar Wilde, 1854-1900

Posted in bondade, criança, felicidade, Oscar Wilde | Leave a Comment »

A criança é o amor feito visível.

Posted by servitiu em 5 maio , 2008


Friedrich Novalis, 1772-1801

Posted in amor, criança, Friedrich Novalis | Leave a Comment »

Em suma, todo o problema da vida é este: como romper a própria solidão, como comunicar-se com os outros.

Posted by servitiu em 4 maio , 2008


Cesare Pavese, 1908-1950

Posted in Cesare Pavese, comunicação, solidão, vida | Leave a Comment »

Liberdade, antes confusa que nenhuma.

Posted by servitiu em 3 maio , 2008


Machado de Assis, 1839-1908

Posted in liberdade, Machado de Assis | Leave a Comment »

Os sonhadores diurnos são perigosos, pois são capezes de atuar de olhos abertos em seu sonho para torná-lo realidade.

Posted by servitiu em 3 maio , 2008


T. E. Lawrence, 1888-1935
Os sete pilares da sabedoria.

Posted in ação, realidade, sonho, T. E. Lawrence | Leave a Comment »

As sociedades devem ser julgadas por sua capacidade de fazer felizes os indivíduos que as compõe.

Posted by servitiu em 3 maio , 2008


Alexis de Tocqueville, 1805-1859

Posted in Alexis de Tocqueville, felicidade, indivíduo, sociedade | Leave a Comment »

A Internacional

Posted by servitiu em 1 maio , 2008

Letra: Eugène Pottier, 1816-1887
Música: Pierre Degeyter, 1848-1934
Tradução: Neno Vasco, 1878-1923
Mais informações na Wikipedia

De pé, ó vitimas da fome!
De pé, famélicos da terra!
Da idéia a chama já consome,
A crosta bruta que a soterra .
Cortai o mal bem pelo fundo!
De pé, de pé, não mais senhores!
Se nada somos neste mundo,
Sejamos tudo, ó produtores!

Bem unidos façamos,
Nesta luta final!
Uma terra sem amos
A Internacional!

Senhores, patrões, chefes supremos,
Nada esperamos de nenhum!
Sejamos nós que conquistemos
A terra mãe livre e comum!
Para não ter protestos vãos,
Para sair desse antro estreito,
Façamos nós por nossas mãos
Tudo o que a nós diz respeito!

Refrão

Crime de rico a lei cobre,
O Estado esmaga o oprimido.
Não há direitos para o pobre,
Ao rico tudo é permitido.
À opressão não mais sujeitos!
Somos iguais todos os seres.
Não mais deveres sem direitos,
Não mais direitos sem deveres!

Refrão

Abomináveis na grandeza,
Os reis da mina e da fornalha
Edificaram a riqueza
Sobre o suor de quem trabalha!
Todo o produto de quem sua
A corja rica o recolheu.
Querendo que ela o restitua
O povo só quer o que é seu!

Refrão

Nós fomos de fumo embriagados,
Paz entre nós, guerra aos senhores!
Façamos greve de soldados!
Somos irmãos, trabalhadores!
Se a raça vil, cheia de galas,
Nos quer à força canibais,
Logo verás que as nossas balas
São para os nossos generais!

Refrão

Pois somos do povo os ativos
Trabalhador forte e fecundo.
Pertence a Terra aos produtivos;
Ó parasitas, deixai o mundo!
Ó parasitas que te nutres
Do nosso sangue a gotejar,
Se nos faltarem os abutres
Não deixa o sol de fulgurar!

Posted in Sem-categoria | Leave a Comment »